ADAB e ABAF renovam acordo de cooperação técnica para programa fitossanitário e ambiental

A aproximação com os setores produtivos ganha mais força com a renovação do acordo de cooperação técnica entre ADAB (Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia) e ABAF (Associação Baiana das Empresas de Base Florestal) para efetivação do Programa Fitossanitário de Controle da Lagarta Parda (PFCLP), praga que atinge plantações diversificadas das regiões Sul e Extremo Sul do estado, e que pode provocar graves prejuízos econômicos caso não seja monitorada e controlada. A parceria entre as entidade iniciada em 2015 conseguiu bons resultados no controle do inseto nativo das regiões e que afeta com maior intensidade o eucalipto, o café e o cacau.

Com a renovação do convênio, cabe à ADAB atualizar e manter a Comissão Técnica Regional (CTR) com entidades parceiras e representantes dos produtores rurais da região promover treinamento e acompanhamento das ações. A ABAF é responsável pelo monitoramento dos dados do setor florestal e contratação da equipe de trabalho para a implementação do programa.

“Ecologicamente, o trabalho que estamos recomeçando tem efeitos na conscientização, e o controle é realizado com produtos biológicos para proteção da fauna da região e da biossegurança alimentar”, explica Maurício Bacelar, diretor-geral da ADAB.

Após os bons resultados alcançados pelo PFCLP, e por sugestão dos diversos stakeholders e das empresas, a ADAB e a ABAF implementaram uma ação complementar educativa, ampliando os tópicos a serem trabalhados com o nome de Programa Ambiente Florestal Sustentável (PAFS). O programa, lançado em 2016, vem trabalhando temas relativos à educação ambiental em diversas comunidades rurais e escolas no Sul e Extremo Sul da Bahia.

Os temas são trabalhados em palestras, capacitações, reuniões são: Uso Múltiplo da Floresta Plantada/Programa Mais Árvores Bahia; Regulamentação Ambiental das Propriedades Rurais (Código Florestal/ CAR/ Cefir); Integração Lavoura, Pecuária e Floresta (iLPF)/Plano ABC; Preservação dos Recursos Hídricos; Prevenção e Controle de Incêndios Florestais; Controle de Gado nas Áreas de Preservação; Combate ao Carvão Ilegal; e Programa Fitossanitário de Pragas.

“Essa parceria é antiga e resulta em ações mais amplas na preservação do meio ambiente, o que contribui inclusive para a menor incidência de pragas. O PAFS é um programa ambiental que entra como uma ferramenta educativa de apoio ao PFCLP que mantém ações que caracterizam o controle ou erradicação de uma praga que no caso é a lagarta parda. Até o momento, o PAFS já percorreu mais de 300 mil quilômetros; realizou 270 treinamentos em 258 comunidades; instruiu e orientou cerca de 12 mil produtores rurais de frutas, eucalipto, café, entre outras culturas, da região e estudantes”, descreveu Epaminondas Peixoto, coordenador técnico da ADAB. 

“A divulgação de importantes tópicos para a diversificação e sustentabilidade das atividades rurais é um de nossos principais objetivos. Trabalhamos ainda para a inclusão dos pequenos e médios produtores e processadores de madeira no setor – e seu uso múltiplo – para melhor atender a população, além de gerar emprego e renda”, enfatiza Wilson Andrade, diretor executivo da ABAF.

“O resultado tem sido muito positivo também graças às parcerias feitas com o Governo do Estado, através da Seagri e ADAB; Sindicados Rurais da FAEB/Senar; Associação de Produtores de Café, Frutas, Pecuária; e Prefeituras, através de suas secretarias de agricultura e meio ambiente. Hoje, o PAFS é citado como modelo de cooperação entre a ADAB e os setores produtivos”, completa o coordenador do PAFS, Paulo Andrade.