Parque Científico e Tecnológico do Sul da Bahia é lançado na UESC

No último dia 10 de março foi lançado o Parque Científico e Tecnológico do Sul da Bahia – PCTSul com a inauguração do Centro de Inovação do Cacau, no Auditório Governador Paulo Souto no Campus da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), às 14 horas. O Centro de Inovação do Cacau, primeira iniciativa do empreendimento, surge para corroborar com o fortalecimento da região cacaueira.

O diretor executivo da Associação Baiana das Empresas de Base Florestal (ABAF) – que é integrante do Conselho de Administração do Parque -, Wilson Andrade, esteve presente. “A ABAF foi convidada a participar porque entendemos que ela é a organização mais representativa de um segmento econômico que se constitui em uma das quatro áreas de concentração do PCTSul, a de ‘Cadeias de Produção Agroflorestal’. Isto significa que é missão do PCTSul agregar esforços empresariais, acadêmicos e governamentais para o desenvolvimento de tecnologias que possam agregar valor econômico e sustentabilidade ambiental a este segmento”, informou o presidente do Parque, Gesil Amarante.

Andrade explica que o PCTSul vai reunir estudiosos e empreendedores com foco nas cadeias produtivas, aliado à economia florestal que, muito mais que preservação ambiental, é o atual ‘norte’ da economia. “O manejo florestal sustentável pretende fazer o uso da terra de uma forma sustentável, produzindo os alimentos, retirando a madeira e recursos da natureza, sem comprometê-la. Este entendimento está de acordo, inclusive, com o Acordo de Paris que inicia o processo de ratificação do histórico tratado para o enfrentamento das mudanças climáticas, acordado em dezembro de 2015, na Conferência do Clima de Paris (COP 21). O processo de ratificação está aberto a assinaturas e passa a valer após ao menos 55 países, que respondem por 55% das emissões globais de gases de efeito estufa, apresentem seus instrumentos de ratificação ou aceitação do acordo. O acordo entra em vigor em 2020”, explica.

O evento reuniu autoridades políticas, empresários, representantes da comunidade científica e cacauicultores. A programação prevê uma palestra de abertura com Dr. Guilherme Ary Plonski, que abordara o “O papel de um parque científico e tecnológico para o desenvolvimento regional”. Na sequência, foi realizada uma mesa redonda com representantes das instituições fundadoras do PCTSul e produtores de cacau, que apresentaram a comunidade a iniciativa do empreendimento e os seus desafios.

O Parque – O PCTSul é uma iniciativa do Comitê de Instituições Públicas de Ciência, Tecnologia e Inovação do estado da Bahia, formado em 2013, por cinco instituições: UFSB, UESC, CEPLAC, IFBA e IFBaiano. Seu objetivo principal consiste na concepção, estruturação e gestão sustentável de um ambiente de negócios capaz de integrar o mercado empresarial com o poder público e a comunidade científica, de forma a estimular o desenvolvimento de produtos, processos e serviços tecnológicos e inovadores que proponham ideias e soluções criativas para o mercado nacional e internacional, de forma a estimular o desenvolvimento regional e a valorização da matriz produtiva do Sul da Bahia.

As primeiras operações do PCTSul terão como foco a cadeia produtiva do cacau, através de um Centro Integrado de Inteligência e Inovação que se dedicará a realização de análises físico-químicas, com foco na melhora da produtividade, qualidade e rastreabilidade das amêndoas, viabilizando o fortalecimento da inserção do cacau baiano nos circuitos produtores de chocolate finos e de origem. Segundo Cristiano Villela, Secretário Executivo do PCTSul, está previsto um volume de investimento inicial de R$ 2,6 milhões de reais, que serão distribuídos em três fases de implementação das ações.

A UESC além de sócia-fundadora, colabora com o desenvolvimento organizacional do PCTSul através do Programa de Incubação da Broto Incubadora de Biotecnologia – BROTO, iniciativa bi-institucional da UESC e UEFS, que fornece suporte gerencial, orientação tecnológica e consultoria econômico-financeira a empreendimentos de base tecnológica. A UESC também apoia a iniciativa através do fornecimento da infraestrutura que abrigará o Centro de Inovação do Cacau, que funcionará no Instituto de Analises Físico-Químicas (IPAF) no Campus da Universidade, a ser apresento comunidade após o evento de lançamento.