Programa da União Europeia promove cooperação entre PMEs do Brasil e UE na área de agricultura de baixo carbono

                

A Associação Baiana das Empresas de Base Florestal (ABAF) participa da quinta missão de matchmaking com rodada de negócios com empresas europeias na área de Agricultura de Baixo Carbono, que acontece em Ribeirão Preto (SP), de 1 a 5 de maio. As rodadas de negócios vão fomentar o intercâmbio de experiências inovadoras, apoiando empresas em sua transição às tecnologias e processos de baixa emissão de carbono em oito subsetores da economia e áreas afins – as que contribuem com a maior parte das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) no Brasil, sendo elas: Eficiência energética na construção civil e na indústria; Processos industriais; Gestão de resíduos (sólidos); Produção e consumo de energia; Aquicultura; Biomassa (2ª geração); Atividades florestais; Agricultura. O evento é promovido pela União Europeia Low Carbon Business Action in Brazil (LCBA) e acontece juntamente com a Agrishow – Feira Internacional de Tecnologia Agrícola, considerada a mais importante para a apresentação de novidades tecnológicas no setor.

A Low Carbon Business Action in Brazil (LCBA) é uma iniciativa para aproximar Pequenas e Médias Empresas (PMEs) do Brasil e dos 28 Estados membros da União Europeia (UE) a partir de uma série de encontros de matchmaking empresarial, entre agosto de 2016 e dezembro de 2018. A ação contribuirá com a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) no Brasil por meio da promoção de Acordos de Cooperação e Parcerias, buscando gerar maior competitividade e sustentabilidade ambiental das empresas participantes.

Em sintonia com o propósito do evento – e representando alguns desses subsetores, como biomassa e atividades florestais – a ABAF vai apresentar o programa ‘Mais Árvores Bahia’. O programa tem o objetivo de incentivar a inclusão de pequenos e médios produtores no plantio, manejo e processamento da madeira de florestas comerciais para usos múltiplos. “O Mais Árvores Bahia trabalha ao mesmo tempo com os três vértices: produtores de madeira; compradores e processadores de madeira; e consumidores finais no estado, através das revendas de madeira, indústrias de móveis e construção civil. Com isso, visamos atender também a demanda por móveis, peças e partes de madeira para construção civil na Bahia – hoje atendida, na sua maior parte, por outros estados brasileiros”, explica Wilson Andrade, diretor executivo da ABAF.

“Este evento é uma grande oportunidade de incrementar a atração de tecnologia de processamento de madeira para o Brasil e Bahia. Queremos – com o apoio do Sebrae, CNA, Senai, Fieb, Faeb/Senar, entre outros importantes parceiros – expandir nosso programa com o apoio a 40 médias serrarias nas quatro regiões da Bahia para atender a nossa demanda por partes e peças de madeira e móveis; com produção e mão de obra locais. Também queremos otimizar a atração de quatro serrarias âncoras (uma para cada região) para que abasteçam o mercado interno com tábuas serradas para o desenvolvimento de pequenas e médias serrarias e carpintarias na Bahia. Nesse evento, portanto, vamos identificar possíveis parceiros e trazê-los para o contato direto com as serrarias que pretendemos ajudar a se desenvolver”, acrescenta Andrade.

Além desses propósitos, a ABAF quer reforçar o papel das florestas plantadas no segmento de baixo carbono. Os 7,8 milhões de hectares de florestas plantadas que temos no Brasil estocam 1,7 bilhões de toneladas de CO2eq – o que equivale a um ano das emissões nacionais de CO2eq (medida que expressa a quantidade de gases de efeito estufa (GEEs) em termos equivalentes da quantidade de dióxido de carbono (CO2)).

O setor, além dos aspectos econômicos, gera impacto positivo no que diz respeito ao meio ambiente, compromisso social e qualidade de vida. Árvores plantadas são cultivadas atendendo a planos de manejo sustentável que tem como objetivo reduzir os impactos ambientais e promover o desenvolvimento econômico e social das comunidades vizinhas. Plantadas para evitar a pressão e degradação de ecossistemas naturais, as florestas contribuem ainda para o fornecimento de biomassa florestal, lenha e carvão de origem vegetal.

Os plantios de árvores desempenham importante papel na prestação de serviços ambientais: evitam o desmatamento de hábitats naturais, protegendo assim a biodiversidade; preservam o solo e as nascentes de rios; recuperam áreas degradadas; são fontes de energia renovável e contribuem para a redução das emissões de gases causadores do efeito estufa por serem estoques naturais de carbono.

“Tudo isso também nos coloca em vantagem, inclusive, no que diz respeito ao Acordo de Paris. Por ele, o Brasil compromete-se a reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 37% abaixo dos níveis de 2005, até 2025, com uma contribuição indicativa subsequente de reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 43% abaixo dos níveis de 2005, até 2030. Para isso, o país se compromete a aumentar a participação de bioenergia sustentável na sua matriz energética para aproximadamente 18% até 2030, restaurar e reflorestar 12 milhões de hectares de florestas, bem como alcançar uma participação estimada de 45% de energias renováveis na composição da matriz energética em 2030”, informa Andrade.

 

Biomassa de eucalipto – O ano de 2017 já entrou com perspectivas positivas para o setor florestal brasileiro de energia. Dados do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento mostram que existem cerca de 105 milhões de áreas degradadas disponíveis no país para a plantação energética. Alguns estudos já comprovam que a energia limpa produzida pelas florestas energéticas pode ser comparada a mesma quantidade de produção de outras fontes renováveis. A expectativa do setor é que o Brasil acelere a expansão sustentável de florestas energéticas durante o ano, chegando assim a um crescimento de médio de um milhão de hectares ao ano. O Brasil tem grandes chances de produzir bioenergia de madeira sustentável e economicamente competitiva para exportação.

 

ABAF – A indústria de base florestal usa a madeira como matéria-prima, com destaque para a produção de celulose, celulose solúvel, papel, ferro liga, madeira tratada, carvão vegetal e lenha para o processamento de grãos. A madeira utilizada é plantada e é considerada uma matéria-prima renovável, reciclável e amigável ao meio ambiente, à biodiversidade e à vida humana. A ABAF representa as empresas de base florestal do estado, assim como os seus fornecedores. Atualmente, a ABAF tem como associados: Aepes, Aiba, Aspex, Assosil, BSC, Caravelas Florestas, ERB, Ferbasa, Fibria, Floryl, JSL, Komatsu, Lyptus, Papaiz, Ponsse, Proden, Sineflor, Stora Enso, Suzano, Veracel e 2Tree. A ABAF tem como meta primeira contribuir para que o setor que representa se desenvolva sobre bases sustentáveis, seja do ponto de vista econômico, ambiental ou social.

 

Informações: Site (abaf.org.br), canais ABAF no Facebook, YouTube, SoundCloud; publicações: issuu.com/abaf_2014

Yara Vasku – Comunicação ABAF – (71) 3342-6102/ 99119-7746/ yaravasku.abaf@gmail.com

Wilson Andrade – Diretor Executivo ABAF – (71) 3342-6102/ 98801-3000 / wilsonandrade@terra.com.br