30.04.19

“Uso múltiplo sustentável” será discutido em Salvador no IV Congresso Brasileiro de Eucalipto

“Uso múltiplo sustentável” é o tema central do IV Congresso Brasileiro de Eucalipto (IV CBE) que acontece em 07 e 08 de agosto na sede da Fieb (Rua Edístio Pondé, 342 – Stiep), em Salvador (BA). O evento é uma realização da Associação Baiana das Empresas de Base Florestal (ABAF) e do Centro de Desenvolvimento do Agronegócio (Cedagro/ES). O objetivo principal é discutir e sugerir alternativas que removam os principais obstáculos ao desenvolvimento do setor de florestas plantadas, bem como mostrar os avanços tecnológicos e as novas exigências de mercado e de oportunidades de negócios. Destaque ainda, na abertura oficial do evento, para o lançamento do Bahia Florestal 2019, relatório que mostra um panorama completo da cadeia produtiva de base florestal no estado da Bahia (e com referências ao Brasil). O documento foi feito com a cooperação das empresas (e associações de produtores) associadas à ABAF e teve dados compilados pela STCP Engenharia de Projetos Ltda.

O tema central do congresso está em sintonia com o trabalho que a ABAF vem desenvolvendo na Bahia. “Além de informar sobre importantes tópicos para a diversificação e sustentabilidade da atividade agropecuária, o objetivo da ABAF é estimular a produção e processamento da madeira plantada. A Bahia ainda não produz (e processa) a madeira plantada suficiente para atender a demanda do estado e muito disso se dá pela falta de conhecimento sobre o setor. Trabalhamos, inclusive, para a inclusão dos pequenos e médios produtores e processadores de madeira para uso múltiplo, visando o atendimento da demanda por móveis, peças e partes de madeira na Bahia – hoje atendida, na sua maior parte, por outros estados brasileiros”, acrescenta Wilson Andrade, diretor executivo da ABAF. Este é um dos temas trabalhados pelo Programa Ambiente Florestal Sustentável (PAFS) – leia mais abaixo.

“O Congresso Brasileiro de Eucalipto é um dos mais importantes fóruns brasileiros de inovação tecnológica, atualização e intercâmbio técnico e empresarial que integra os agentes da cadeia produtiva da madeira, representados pelos segmentos de insumos, produção, logística, indústria, comercialização, exportação e pelas instituições de crédito, pesquisa, extensão, ensino, fomento entre outros”, explica Gilmar Dadalto, presidente executivo do Cedagro. Mais informações: http://www.congressoeucalipto.com.br/index.php

O PAFS – O PAFS vem trabalhando temas relativos à educação ambiental em diversas comunidades rurais: Uso Múltiplo da Floresta Plantada; Regulamentação Ambiental das Propriedades Rurais (Código Florestal/ CAR/ Cefir); Integração Lavoura, Pecuária e Floresta (iLPF)/Plano ABC; Preservação dos Recursos Hídricos; Prevenção e Controle de Incêndios Florestais; Controle de Gado nas Áreas de Preservação; Combate ao Carvão Ilegal, além de manter o Programa Fitossanitário de Pragas.

Para isso foi elaborado um amplo programa de comunicação e foi montada e orientada uma equipe de engenheiros (agrônomos e florestais) que vem trabalhando com uma estrutura formada por veículos, equipamentos audiovisuais, campanha publicitária e material informativo. Entre as atividades que fazem parte da rotina dos profissionais, destaque para o monitoramento de defesa sanitária animal, fiscalização da presença de gado em APP, visita a propriedades rurais, notificação e termo de advertência, palestra em comunidades rurais, associações e escolas.

Desde o seu início, o PAFS já percorreu 243 mil quilômetros; realizou 200 treinamentos em aproximadamente 180 comunidades; instruiu e orientou cerca de 8 mil produtores rurais de frutas, eucalipto, café, entre outras culturas, da região e estudantes.

“O resultado tem sido muito positivo graças às parcerias feitas com o Governo do Estado, através da Seagri e ADAB; Sindicados Rurais da FAEB/Senar e Prefeituras, através de suas secretarias de agricultura e meio ambiente. Acreditamos que a responsabilidade de uma produção rural sustentável tem que ser de todos nós”, informa Paulo Andrade, coordenador do programa.

O diretor executivo da ABAF acrescenta que o uso múltiplo da floresta plantada vem sendo desenvolvido pela ABAF, em parceria com uma série de entidades ligadas à agricultura, indústria e à qualificação de mão de obra, além da academia. O objetivo é incentivar o pequeno e médio produtor a investir no plantio, manejo e processamento da madeira de florestas comerciais para uso múltiplo.  “Temos, inclusive, um Grupo de Trabalho (GT) Pesquisa em Madeira que pretende ampliar o conhecimento de alunos e professores sobre o uso da madeira plantada na Construção Civil e na Arquitetura”, informa.