01.03.21

Venturoli é nova associada ABAF

 

A empresa Cruzetas e Madeiras Venturoli Ltda. é nova associada da ABAF – Associação das Empresas de Base Florestal. Desde 1988, a Venturoli oferece aos seus clientes todo o tipo de peças produzidas com eucalipto e pinus cultivados, beneficiadas e tratadas, para a construção civil, cercas e estruturas pré-fabricadas para o setor rural, cruzetas e dormentes para linhas elétricas e férreas. Atende – em todo o Nordeste – o mercado de varejo e o de empresas, construtoras, hotéis, engenheiros e arquitetos.

“Acreditamos que essa parceria irá gerar bons frutos. Trabalho em grupo é muito produtivo e contar com uma representação tão atuante e abrangente como a da ABAF criará muitas oportunidades. Agradecemos o convite, nos associarmos à ABAF é uma grande satisfação”, declarou Maíra Venturoli, representante da área comercial da empresa.

Localizada em Camaçari (BA), numa área de 38.000m² (sendo 3.000m² de área coberta com estrutura dividida em administrativo, produção e estoque), a Venturoli também possui 650 hectares de floresta de eucalipto plantada na Bahia. A empresa utiliza um moderno processo industrial na preparação e tratamento da madeira cultivada, empregando máquinas e equipamentos de alta tecnologia e atendendo às normas técnicas e ambientais.

“Somos especializados no aparelhamento e beneficiamento de madeiras e temos o propósito de oferecer uma alternativa sustentável, economicamente viável e complementar em relação a outros materiais construtivos como o concreto, o aço e o vidro, entre outros. Assim, oferecemos uma alternativa construtiva inovadora em madeira renovável com qualidade e durabilidade, buscando a satisfação dos clientes, respeitando o meio ambiente e contribuindo para o bem-estar da comunidade”, completa Maíra.

A Venturoli compromete-se com a melhoria contínua do seu processo de produção. As análises dos preservativos e materiais tratados são efetuadas em laboratório próprio, onde executam testes de concentração do produto preservante, penetração, balanceamento, quantidade do produto absorvido pela madeira, resíduos hidrossolúveis e outros.

Certificação

Empresas tradicionais no setor de tratamento de madeira estão apostando em dar ainda mais garantias ao consumidor para ampliar o consumo desses produtos no Brasil. Por meio da certificação obtida com o Programa de Autorregulamentação – Qualitrat é possível comprovar a qualidade e a legalidade ao consumidor da madeira preservada. A iniciativa é desenvolvida pela Associação Brasileira de Preservadores de Madeira (ABPM) em parceria com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e o Instituto Totum. Segundo o presidente da Associação, Gonzalo Lopez, o programa foi criado para que o setor pudesse ter um padrão para a qualidade, tanto dos produtos, como a comprovação de legalidade da empresa de seus associados.

Quem acredita na importância da regulação do mercado para uma maior padronização é a empresa Venturoli. “Esperamos que, com a certificação, o cliente final saiba quem efetivamente seguiu todas as regras e cumpriu a legislação vigente”, comenta Maíra Venturoli.

Ela acredita que a certificação será muito importante para demonstrar ao cliente final a posição da empresa no compromisso com a qualidade. A representante da Venturoli salienta ainda que passar pelo processo do Qualitrat também trará outros benefícios para a empresa, como rever a organização interna e a área de documentação, além de outros rituais que não são visíveis aos olhos do consumidor, mas que são essenciais para o resultado final.

De acordo com Fernando Lopes, presidente do Instituto Totum, responsável pela gestão e auditoria do programa, a certificação considera critérios de habilitação e idoneidade jurídica, gestão da qualidade de processos, gestão ambiental, regularidade social, trabalhista, gestão de saúde e segurança, além de compromissos éticos e de responsabilidade social.

Na avaliação do presidente da ABPM, este é apenas o começo de um processo sem volta no campo da certificação. “Cada vez mais o mercado vai exigir comprovação de qualidade e compromisso com a legalidade. O objetivo é ampliar a participação das empresas associadas, para que o setor dê mais segurança ao mercado e, consequentemente aos consumidores, aumentando o uso de produtos de madeira preservados”, completa Lopez.