25.05.17

ABAF apresenta as vantagens do setor de base florestal na Bahia Farm Show 2017

A 13ª edição da Bahia Farm Show 2017, consolidada como a maior feira em tecnologia agrícola e negócios do Norte e Nordeste do Brasil, acontece em Luís Eduardo Magalhães (BA) de 30/05 a 02/06. A Bahia Farm Show vai oferecer para pequenos, médios e grandes agricultores do Matopiba (área agrícola formada por parte dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), as principais inovações tecnológicas em maquinário, insumos, sementes e softwares, com juros reduzidos e crédito facilitado.

 

Apoiadora do evento, a Associação Baiana das Empresas de Base Florestal (ABAF) será representada por seu diretor executivo, Wilson Andrade, que fará a palestra “A indústria florestal como oportunidade de investimento na Bahia”, às 10h30 do dia 31/05. Andrade, que também participou da Agrishow, em Ribeirão Preto (SP), acredita que eventos como estes são importantes para divulgar o segmento florestal. “Existem, no Oeste da Bahia, importantes projetos na área de energia, secagem de grãos e serrarias com uso múltiplo. Temos, por exemplo a usina Campo Grande, em implantação em Barreiras, que é um dos maiores projetos em biomassa do Brasil. E espera-se o forte desenvolvimento de produção de energia a partir da biomassa do eucalipto de maneira a atender a crescente demanda da região, com produção local”, acrescentou.

 

Em sua palestra, Andrade vai mostrar que o setor de árvores plantadas na Bahia tem características que o fazem destacar diante de outras regiões produtoras. “Uma delas é o fato de continuar crescendo anualmente em torno de 5%, muito acima da média de crescimento nacional. Outra característica é o fato de a Bahia, com suas condições edafoclimáticas e pela tecnologia, ser líder mundial em produtividade do eucalipto. A Austrália, que é de onde nós trouxemos o eucalipto, tem uma produção de 23 m³/ha/ano. Na Bahia este número é de 42. Já em algumas regiões mais adequadas este número chega a 60. Destacamos também o fato da produção em quatro polos distintos no Estado da Bahia (Sul e Extremo Sul, Litoral Norte, Sudoeste e Oeste) o que contribui – e muito – para a desconcentração da produção e da economia. Além disso, nosso setor recebe alavancagem de diferentes segmentos que utilizam madeira plantada em seus processos produtivos: papel e celulose; construção civil; movelaria; mineração; e energia de biomassa”, adianta Andrade.

A ABAF também vai divulgar o programa ‘Mais Árvores Bahia’ que tem o objetivo de incentivar a inclusão de pequenos e médios produtores no plantio, manejo e processamento da madeira de florestas comerciais para usos múltiplos. “O programa ao mesmo tempo com os três vértices: produtores de madeira; compradores e processadores de madeira; e consumidores finais no estado, através das revendas de madeira, indústrias de móveis e construção civil. Com isso, visamos atender também a demanda por móveis, peças e partes de madeira para construção civil na Bahia – hoje atendida, na sua maior parte, por outros estados brasileiros”, explica.

O presidente da Bahia Farm Show e da Associação dos Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), Celestino Zanella, se mostrou confiante no sucesso de comercialização e vendas desta edição da Feira. “Nosso desejo é sempre crescer e com a expectativa desta safra, que deve se confirmar, esperamos uma projeção de 10% em relação ao ano passado”, compara, ao mencionar a comercialização de R$ 1,014 bilhão da última edição do evento.

Para Júlio Cezar Busato, que presidiu as últimas quatro edições da Bahia Farm, e hoje ocupa a presidência da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), nem mesmo a crise econômica e a estiagem que prejudicou a safra passada na região tirou ânimo e o sucesso do evento. “São nestes momentos que temos que mostrar a nossa força. Com o apoio dos bancos e das instituições financeiras, que diante da conjuntura trouxeram mais créditos e com juros facilitados; dos expositores e fabricantes, que não deixaram de apresentar e vender os seus produtos; e, principalmente, dos agricultores, que continuaram investindo em tecnologia e no seu trabalho”.

Para a edição deste ano, o vice-presidente da Bahia Farm Show e da Aiba, Luiz Pradella, explicou que todos os esforços foram concentrados para a manutenção do complexo da Feira, instalado em uma área total de 144.000m², com uma infraestrutura completa e arrojada para o conforto de expositores e visitantes. “É uma feira de cinco dias, mas que envolve investimentos o ano todo”, explica. A participação dos expositores foi ressaltada pela coordenadora da feira, Rosi Cerrato. “Estamos recebendo pela primeira vez expositores e comitiva de visitas de outros países, mostrando a importância da Feira para o mercado nacional e internacional”, destacou.

Segundo o representante da Secretaria de Agricultura da Bahia, Vitor Bonfim, o sucesso da feira está na parceria entre as instituições do setor público, privado, ensino e pesquisa, e dos próprios agricultores que acreditam na força do agronegócio da região. “O governo do estado está sensibilizado com as demandas dos agricultores ao entender que a feira e o setor agrícola impulsiona a economia do estado”, afirmou. O presidente da Associação dos Revendedores de Máquinas e Implementos Agrícolas do Oeste da Bahia (Assomiba), Fábio Martins, reforçou que a feira vai mostrar todo o potencial do oeste da Bahia e do Matopiba. “Os agricultores desta região não precisam mais viajar para outras regiões, pois todas as mais novas tecnologias agrícolas expostas nas demais feiras no Brasil e no Mundo estão na Bahia Farm Show”, afirma.

Além de mostras de produtos e serviços, a Feira oferecerá uma grade com mais de 20 palestras e workshop sobre agronegócio. Destaques dentro da programação para o Fórum do Canal Rural e para o Leilão de Gado que integram o cardápio de opções oferecidas durante o evento que se consolida como uma das mais importantes e avançadas vitrines do agronegócio nacional. A Bahia Farm Show é organizada pela Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), com o apoio da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), Fundação Bahia, Associação dos Revendedores de Máquinas e Equipamentos Agrícolas do Oeste da Bahia Ltda. (Assomiba) e Prefeitura de Luís Eduardo Magalhães.