ABAF e Sema discutem estratégias de monitoramento em defesa da Mata Atlântica

Em reunião com o secretário do Meio Ambiente, Geraldo Reis, na tarde desta segunda-feira (26), o diretor Executivo da Associação Baiana das Empresas de Base Florestal (ABAF), Wilson Andrade, discutiu ações estratégicas de monitoramento e fiscalização da força-tarefa em defesa da Mata Atlântica, articulada pela pasta do Meio Ambiente, junto aos órgãos de fiscalização ambiental do Estado.

Participaram da reunião o gerente de Sustentabilidade da Veracel, Renato Carneiro, o analista de Licenciamento Ambiental da Fibria, Diomar Biasutti, e o advogado especialista em certificação florestal, Leandro Mozelo, representando a Suzano e a Aspex Bahia Florestal.

A força tarefa de monitoramento, fiscalização e ações estruturadas de combate ao desmatamento de área de Mata Atlântica no Sul e Extremo Sul do Estado, integra técnicos da Sema, do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), Ministério Público, Ibama, ICMBio, e as secretarias municipais de Meio Ambiente da região. A ação é resultado de uma articulação institucional para proteção do bioma, apontado pela Fundação SOS Mata Atlântica como um dos principais alvos de desmatamento no país entre 2015 e 2016.

Coma a finalidade de subsidiar as ações de fiscalização, a ABAF irá disponibilizar as bases de dados das empresas que fazem o monitoramento da região Sul e Extremo Sul do Estado. “A partir desses dados, vamos colaborar com o controle e monitoramento da Mata Atlântica e das reservas naturais que temos no estado”, afirmou o diretor Executivo da ABAF, Wilson Andrade.

Ainda segundo Andrade, o setor florestal na Bahia possui 0,7 hectares de área preservada para cada hectare de produção, todas elas documentadas e com certificados nacionais e internacionais. “Nós estamos fazendo quase o dobro do que é exigido pela legislação brasileira através do código florestal, e a nossa meta é trabalhar no futuro com 1 hectare de área preservada para cada hectare de produção, esperamos chegar lá”, afirmou.

A próxima reunião da força-tarefa de combate ao desmatamento ilegal da Mata Atlântica, no Sul e Extremo Sul da Bahia, será nesta quarta-feira (28), em Eunápolis, na Unidade Regional do Inema. O encontro tem como objetivo analisar as ações da operação planejada da Sema e do Inema na região, com a participação de gestores e técnicos dos órgãos ambientais, incluindo as Unidades Regionais do Sul e Extremo Sul e os setores de fiscalização.

Mata Atlântica

Em resposta ao relatório da SOS Mata Atlântica, que sinaliza a perda de 7 mil hectares de florestas na região Sul e Extremo Sul do Estado, as instituições e órgãos do poder público e sociedade civil formaram um comitê gestor para planejar e executar em conjunto ações de monitoramento, fiscalização e ações estruturadas.

“Assim que as informações foram divulgadas, tivemos a preocupação de convocar imediatamente a reunião, aglutinando todas essas instituições aqui, porque todos nós temos algum nível de responsabilidade com o problema e reconhecemos sua gravidade e urgência”, disse o secretário Geraldo Reis. “Não podemos deixar de ressaltar que a questão ambiental é de responsabilidade dos três poderes e de toda a sociedade”.

O gestor sinalizou ainda que, segundo dados do Sistema Estadual de Informações Ambientais (SEIA), a grande maioria das áreas desmatadas não tem autorização de supressão do Inema. “A Sema e o Inema realizam a análise das imagens do relatório da SOS Mata Atlântica para identificar com mais segurança as causas e o histórico dessas áreas, documento que servirá para apoiar as ações de fiscalização em campo”.