21.11.22

Posicionamento ABAF – invasões de propriedades na Bahia

Diante da notícia que o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) anunciou na segunda-feira (14/11) que seus membros invadiram recentemente duas fazendas na Bahia, a Associação Baiana das Empresas de Base Florestal (ABAF) – entidade que representa o setor de árvores cultivadas no estado – informa que repudia este tipo de ação, seja em áreas das suas empresas associadas ou em qualquer outra, pois respeita a Constituição Federal e as instituições brasileiras.

Nesse sentido, está em contato direto com o Governo do Estado e suas secretarias, buscando a solução para o problema e renovando os caminhos para evitar possíveis futuras ocorrências.

A ABAF informa, ainda, que suas empresas associadas, incluindo a FERBASA, cuja área foi invadida, mantêm a posse e a propriedade legítimas das terras de suas produções florestais, cumprindo metas socioeconômicas e ambientais, tudo rigorosamente de acordo com a legislação vigente, seguindo ainda os mais altos padrões nacionais e internacionais de qualidade de produto e serviços, garantindo o compromisso com as pessoas e com o meio ambiente.

Juntamente com suas associadas, a ABAF vem executando esforços para que o setor que representa continue saudável e se desenvolvendo sobre bases sólidas, seja do ponto de vista econômico, ambiental ou social, gerando empregos, impostos e levando desenvolvimento e qualidade de vida para o interior do estado, onde atua em quatro polos diferentes: Litoral Norte, Sudoeste, Oeste, Sul e Extremo Sul da Bahia.

A ABAF reitera seu compromisso com o diálogo frequente e transparente com as diversas comunidades das regiões de atuação de suas associadas. Tais comunidades são apoiadas com programas sociais, de geração de renda e educacionais.

Além disso, a ABAF mantém um bom relacionamento com organizações sociais de diversas naturezas, inclusive com o próprio MST.

Há também um espaço dedicado ao diálogo, que é o Fórum Florestal da Bahia, onde o setor produtivo, a sociedade civil, os municípios, organizações não governamentais, organizações sociais, instituições de pesquisas e órgãos governamentais de regulamentação e preservação interagem há mais de 10 anos.

Por fim, reafirmamos nossa confiança nas leis do país, nas autoridades constituídas e no diálogo, visando a preservação dos direitos de quem produz e trabalha.

Repudiamos veementemente qualquer tipo de ilegalidade ou violência e estamos – sempre – à disposição para contribuir com o que seja necessário, visando o esclarecimento e a resolução de conflitos.

 

Mariana Lisbôa

Presidente da ABAF – Associação Baiana das Empresas de Base Florestal