ABAF participa do “Brasil Agroflorestal – Fórum da Cadeia Produtiva Agroflorestal da Região Sul e Extremo Sul da Bahia”

A Associação Baiana das Empresas de Base Florestal (ABAF) apoiou e participou, com estande e palestra, do “Brasil Agroflorestal – Fórum da Cadeia Produtiva Agroflorestal da Região Sul e Extremo Sul da Bahia” que a Associação dos Produtores de Eucalipto do Sul e Extremo Sul da Bahia (ASPEX) promoveu de 21 a 23 de setembro, no município de Eunápolis (BA). O evento reuniu produtores rurais, empresas e profissionais do agronegócio.

A importância do diálogo, da união, da valorização da mão de obra local e da consciência sobre o ecossistema foram os principais pontos abordados por Caio Zanardo, diretor-presidente da Veracel Celulose, na abertura do evento, na noite de quarta-feira, 21.

Zanardo iniciou sua fala destacando que a relação da Veracel com os parceiros florestais vai além de uma relação comercial e, justamente por isso, o tema de sua palestra foi “Parcerias de valor, futuros de sucesso”. Em sua fala, o diretor-presidente da Veracel destacou a importância do diálogo, da confiança e da capacidade de aprendizado coletivo na busca de um bem comum. “Parceria de valor transcende as relações comerciais. Tem que ter transparência, para que a gente possa conversar abertamente”, destacou Zanardo ao se referir à relação da empresa com os parceiros florestais.

Em 22/09, às 8h30, Wilson Andrade, diretor executivo da ABAF, fez a palestra “Plantar Para Não Faltar – Plano Bahia Florestal 2023-2033”, quando mostrou o potencial do setor florestal na Bahia e como, através de um planejamento, este segmento pode crescer e se desenvolver ainda mais. “Nossa proposta está sendo feita nos moldes dos estudos que alguns estados brasileiros já fizeram, a exemplo do Mato Grosso do Sul (MS) que, em 10 anos, passou de 300 mil hectares de florestas plantadas para 1,3 milhão e acaba de lançar novo planejamento para os próximos 10 anos”, explica.

A ABAF também divulgou o Programa Ambiente Florestal Sustentável (PAFS), uma parceria com a Agência de Defesa Agropecuária (ADAB). No estande, o público pode conferir o trabalho de educação ambiental do programa junto às comunidades rurais e estudantes do Sul e Extremo Sul da Bahia.

O fórum contou com o apoio do Ministério da Agricultura e Pecuária, da Prefeitura de Eunápolis e reuniu empresas nacionais e regionais num espaço de estandes único ao lado do salão de palestras. A abertura oficial foi no dia 21/09 a partir das 19h com as boas-vindas do presidente executivo da Aspex, Francisco Tercílio, e palestra do presidente da Veracel, Caio Zanardo. No dia 22/09 foram apresentadas as palestras e uma rodada de oportunidades entre produtores rurais e empresas. As palestras também foram transmitidas ao vivo pela internet para todo o Brasil e América Latina. O dia de campo aconteceu na manhã do dia 23/09 numa área de floresta de eucaliptos da Veracel, próxima a Eunápolis.

Segundo o presidente da Veracel, Caio Zanardo, “O Brasil Agroflorestal é o primeiro evento regional relevante para a silvicultura pós pandemia. Novas tecnologias, avanços no manejo para enfrentar mudanças climáticas e melhorar a competitividade, além de ótimas oportunidades de negócios para produtores rurais do Sul baiano. Essas são as principais atrações oferecidas pela iniciativa da Aspex. É um evento de produtor rural para produtor rural e a Veracel se engajou nessa iniciativa como patrocinadora, palestrante e âncora”, declarou.

“A Aspex é hoje difusora de conhecimento e promotora do desenvolvimento da região, onde seus associados são moradores do Extremo Sul da Bahia, gerando emprego, renda e investimento nos municípios de atuação. Nada mais justo que realizar um evento que reunirá toda cadeia produtiva florestal, para debates e ampliação da rede florestal, com grande efeito para toda região e para o Estado da Bahia”, salienta Francisco Tercílio.

 

Plano para a Bahia crescer

De acordo com o diretor executivo da ABAF, Wilson Andrade, o objetivo do Plano Bahia Florestal 2023-2033 é a atração de novos investimentos para ampliar e fortalecer a cadeia produtiva de florestas plantadas no estado. “O plano também irá incentivar investimentos agroindustriais que podem se beneficiar das novas infraestruturas implantadas em torno da Ferrovia de Integração Oeste – Leste (Fiol) e da Centro-Atlântica (FCA) – esta que vai cortar a Bahia de Norte a Sul. Além disso, pretendemos intensificar o que já temos feito para o uso múltiplo da madeira e a maior inclusão dos pequenos e médios produtores e processadores de madeira no estado da Bahia”, explica.

Para Andrade, essa discussão é oportuna no momento em que cresce a demanda por madeira no Brasil e no mundo. “Vale reforçar que a Ibá contabiliza investimentos de R$ 60 bilhões no setor, nos próximos três anos. É preciso que a Bahia esteja preparada para atrair parte desses novos investimentos, seja em ampliações ou novas indústrias. Com isso, poderemos atender a crescente demanda por produtos de madeira, gerando ainda, principalmente no interior, mais empregos qualificados, capacitações, tecnologia, renda, impostos e contribuições ambientais de elevada significância”, completa.

Com o lançamento da proposta, a ABAF pretende construir um grupo forte e diverso para construir o plano de forma conjunta com a Federação da Agricultura da Bahia (FAEB), Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB), Sebrae Nacional e Bahia, Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE), Secretaria do Planejamento do Estado da Bahia (Seplan), Secretaria de Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura (Seagri), Secretaria do Meio Ambiente (Sema), Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento na Bahia (MAPA/BA), Desenbahia, Banco do Nordeste, entre outras.

PAFS – O programa trabalha temas relativos à educação ambiental: Uso Múltiplo da Floresta Plantada/Programa Mais Árvores Bahia; Regulamentação Ambiental das Propriedades Rurais (Código Florestal/ CAR/ Cefir); Integração Lavoura, Pecuária e Floresta (ILPF)/Plano ABC; Preservação dos Recursos Hídricos; Prevenção e Controle de Incêndios Florestais; Controle de Gado nas Áreas de Preservação; Combate ao Carvão Ilegal, além de manter o Programa Fitossanitário de Pragas.

Resultados após intenso trabalho desde sua criação: o PAFS percorreu mais de 426 mil quilômetros, realizou 284 treinamentos em 241 comunidades, instruiu e orientou mais de 12 mil estudantes e produtores rurais de frutas, eucalipto, café, entre outras culturas e visitou mais de 1.800 propriedades rurais do Sul e Extremo Sul da Bahia.

O resultado tem sido muito positivo graças às parcerias feitas com o Governo do Estado, através da Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura (Seagri) e ADAB; Sindicatos Rurais da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado da Bahia (FAEB/Senar); Associação de Produtores de Café, Frutas, Pecuária; e Prefeituras, através de suas secretarias de agricultura e meio ambiente. Hoje, o PAFS é citado como modelo de cooperação entre a ADAB e os setores produtivos.