Novo método facilita acesso e customização de dados do setor florestal

Uma solução desenvolvida pela Embrapa Florestas (PR), em parceria com a Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal (Apre), possibilita o acesso, organização e tratamento de várias bases de dados sobre o setor florestal. O procedimento criado permite responder a perguntas como: quantas portas o Brasil exporta? Quais os principais municípios produtores de madeira de eucalipto em Minas Gerais? O município de Eunápolis produz madeira em tora para outras finalidades? Quais são os principais países para os quais o Brasil exporta breu e terebintina? Para isso, a metodologia ajuda a acessar seis diferentes repositórios de dados secundários do setor.

“A metodologia irá permitir melhor diagnóstico do setor, visando a um planejamento florestal em escala regional e nacional, inclusive com detalhamento municipal dependendo da disponibilidade de informações”, declara José Mauro Paz Moreira, pesquisador da Embrapa e um dos idealizadores do trabalho. A “Metodologia de acesso e análise de dados da cadeia produtiva brasileira de florestas plantadas” utiliza um conjunto de procedimentos informatizados baseados em rotinas desenvolvidas em R, linguagem de programação estatística e gráfica de acesso livre e gratuito.

De acordo com o pesquisador, a ideia da metodologia é buscar esses dados dispersos em várias bases e tratá-los para que estejam acessíveis a associações florestais, órgãos governamentais, empresas florestais, consultorias do setor e universidades.

O principal motivador para esse projeto, segundo Moreira, foi a dificuldade em acessar bases de dados secundárias brutas do setor, fator agravado pela diversidade de fontes de informação, muitas vezes não conectadas. “Por isso, buscamos dinamizar o acesso à informação, ao facilitar o tratamento e a análise dos dados secundários por meio de um software gratuito (@R) para ampliar o acesso e difundir o conhecimento sobre as bases de dados florestais”, relata.

A solução foi projetada para que um usuário com treinamento médio em análise de dados e programação possa realizar o procedimento de acesso ao conteúdo de cada base. “A solução permite gerar informações de acordo com interesses específicos, e pode ser utilizada para agregar valor à atividade, seja ela empresarial, governamental ou de elaboração de políticas públicas e de desenvolvimento setorial”, afirma o cientista.

“Essa metodologia vem suprir uma demanda constante das associações e entidades que representam o setor florestal, pois permite apresentar a participação da produção florestal no desenvolvimento de determinada região. A escolha dos melhores indicadores, decorrente das informações e dados disponíveis, bem como a sua coleta, tratamento e análise, são etapas fundamentais para esse trabalho”, ressalta Ailson Loper, diretor-executivo da Apre.

Bancos de dados

Foram selecionadas seis principais bases para servirem de fonte desse trabalho: Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), que mantém dados de produção florestal e de área plantada de florestas de todos os países; Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (PEVS-IBGE), que fornece informações sobre produtos madeireiros e não-madeireiros e a área plantada; Produto Interno Bruto dos Municípios, também do IBGE; a Relação Anual das Informações Sociais (Rais), do Ministério de Trabalho e Previdência (MTP), repositório de informações sobre emprego e empresas; Estatísticas do Comércio Exterior (Comex Stat); os Anuários da Indústria Brasileira de Árvores (Ibá) e o Valor Bruto da Produção Agropecuária, do Departamento de Economia Rural, da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento do Paraná (Deral/Seab).

Junto às rotinas, que estão disponíveis para download no site da Embrapa Florestas, o usuário tem acesso a um manual com o detalhamento da metodologia utilizada, com informações sobre onde e como acessar os dados, a organização da estrutura de diretórios e subdiretórios, quais rotinas (scripts) devem ser executadas em cada etapa, bem como a disponibilização do procedimento informatizado para aplicação em outros períodos ou unidades da Federação. A estrutura de diretórios e subdiretórios contendo os scripts pode ser obtida em pasta compactada no site de softwares da Embrapa Florestas.

“A ideia não foi criar um aplicativo, mas facilitar o acesso a esses dados brutos, baixá-los e, a partir deles, possibilitar que os usuários criem seus próprios scripts a partir da estratégia apresentada. Com isso, podem definir e estabelecer formas de agregar valor ao seu negócio a partir dos dados organizados”, explica Moreira.

Inovação aberta

Para a elaboração da metodologia, os pesquisadores trabalharam com o conceito de inovação aberta e compartilhamento de dados, que possibilita a transferência de conhecimento tecnológico entre diferentes empresas e instituições. A pesquisa foi concebida a partir de uma demanda da Apre, e reconhecida como uma necessidade de todo setor produtivo e algumas instituições governamentais no Grupo de Trabalho (GT) de informações florestais da Câmara Setorial de Florestas Plantadas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

O projeto teve duração de nove meses, sendo seis para organização da estratégia, elaboração, teste e validação dos scripts, e três meses para organização das orientações para acesso às bases de dados e uso dos scripts. A equipe da Apre realizou a identificação dos produtos e atividades que compõem o setor florestal, e à equipe da Embrapa Florestas coube a coordenação técnica para o desenvolvimento dos scripts, incluindo todo o processo de gestão do projeto, ideação, validação e testes.

Acesse: https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/76676809/metodologia-facilita-acesso-e-customizacao-de-dados-do-setor-florestal