Suzano se une ao Cubo Itaú por inovação da floresta à fábrica

Maior produtora de celulose de mercado do mundo, a Suzano se associou ao Cubo Itaú, principal hub de fomento a startups na América Latina, com vistas a acelerar o desenvolvimento de novas tecnologias aplicadas das florestas às fábricas, ao mesmo tempo em que assegura o apoio do setor florestal ao empreendedorismo e à inovação no país.

“Por sua posição, a Suzano não pode ser seguidora. Tem de assumir uma postura de puxar a indústria florestal como um todo”, diz o gerente executivo de excelência operacional florestal da companhia, Paulo Mancinelli. Segundo ele, hubs como o Cubo, que há seis meses lançou o Cubo Agro em parceria com Corteva, São Martinho e Itaú BBA, possibilitam a aproximação entre gigantes do setor e startups, com ganho de lado a lado.

Ao se tornar parceira do Cubo Agro, que também ganhou o reforço da CNH Industrial no início do ano, a Suzano busca, sobretudo, tecnologias para desenvolvimento de bioprodutos, aprimoramento do eucalipto e melhoria operacional a partir do plantio da árvore até a linha de produção – mas não está limitada a essas áreas, conforme Mancinelli.

Com a parceria, uma startup que integre o ecossistema do Cubo poderá se tonar fornecedora da companhia, ou até investida. “Já estamos em contato com algumas empresas”, afirma o executivo. Segundo ele, a Suzano seguirá trabalhando também com outros hubs, como AgTech Garage.

Com mais de 350 startups em seu ecossistema, o Cubo Itaú nasceu em 2015. Hoje, as maiores comunidades são as de empreendedores tecnológicos nas áreas de logística, saúde, finanças e educação. Mas a chegada ao agronegócio era óbvia, diz Pedro Prates, cofundador e líder do Cubo, dada sua relevância para a economia brasileira. “Já tecnologia é um setor vasto para capital de risco. Ao juntar esses dois, o potencial é enorme”, avalia.

Há tempos Cubo e Suzano mantinham laços, conta Prates, principalmente por causa da maturidade alcançada pela companhia na relação com empreendedores. Com o lançamento do Cubo Agro, a parceria se confirmou, ampliando o potencial de negócios e de troca de conhecimento para as startups do hub e colocando ao alcance da Suzano projetos desenvolvidos em todas as comunidades do Cubo. “Não é possível pensar em agro sem pensar em conexão com os outros setores. A abordagem é multissetorial”, afirma.

 

Fonte: Valor – Por Stella Fontes — De São Paulo